O MUNDO ESTÁ MESMO SE AFASTANDO DOS ESTADOS UNIDOS?

0
160

No ano passado, a palavra-chave do memeplex geopolítico era “policrise”, um termo que parecia capturar a vibração generalizada da turbulência global em cascata: pandemia, guerra, mudança climática, crise energética, desglobalização, inflação e dívida global.

Este ano, o termo equivalente pode ser “multipolaridade”, uma palavra mole e um tanto mutante para uma situação global mole e que muda de forma: a maneira como uma rivalidade cada vez mais intensa entre os Estados Unidos e a China parece estar abrindo oportunidades diplomáticas e econômicas oportunidades para atores empreendedores em todo o cenário mundial, em um eco histórico do movimento de não-alinhamento da primeira Guerra Fria meio século atrás.

O presidente Emmanuel Macron, da França, surpreendeu os aliados neste mês, quando fez o que parecia ser um grande gesto de quebra de convenções ao declarar que a Europa deveria se tornar um “terceiro pólo” no cenário mundial e levantar dúvidas sobre seguir a liderança dos Estados Unidos na Ucrânia e em Taiwan.

Mas o líder global que menosprezou teatralmente a liderança americana é o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil. Desde que voltou ao cargo em janeiro, Lula – cuja derrota de Jair Bolsonaro pareceu uma repetição de suspiro de alívio de nossa própria eleição de 2020 – tem feito seu melhor iconoclasta para remodelar uma ordem mundial instável. Ele se recusou a condenar a invasão da Rússia e apoiar a Ucrânia; despachou uma delegação para se encontrar com o odiado presidente da Venezuela, Nicolás Maduro; permitiu que navios de guerra iranianos atracassem em portos brasileiros, violando as sanções dos EUA; anunciou planos para buscar uma espécie de moeda comum com a Argentina que poderia se transformar em uma espécie de euro latino-americano; e viajou à China com dezenas de empresários brasileiros para assinar mais de 20 acordos bilaterais. Uma vez na China, ele criticou uma ordem financeira global que efetivamente exige que todos os países façam negócios em dólares – uma bête noire dos chineses – e o fez no “BRICs Bank” em Xangai, administrado por sua ex-protegida, Dilma Rousseff, que o sucedeu como presidente do Brasil de 2011 a 2016.

Mas os temores americanos de uma grande mudança podem muito bem exagerar o tamanho da mudança, em última análise – um reflexo de nossa tendência de medir a direção da história mundial menos em relação aos pontos de referência do passado do que em relação às nossas expectativas para o futuro (sejam essas as tendências unipolares previsões dos anos 1990 ou as previsões “bipolares” da última década). É realmente uma Nova Guerra Fria, por exemplo, se a grande maioria de nossos telefones, a maior parte do que vai para nossos painéis solares e uma parcela crítica dos antibióticos usados pelos americanos são produzidos na China, apesar das crescentes tensões entre Washington e Pequim? Será que estamos realmente observando o desenrolar da desglobalização, se, apesar de algum novo protecionismo comercial, a participação do comércio mundial na economia global, na pior das hipóteses, diminuiu apenas ligeiramente desde a crise financeira? Faz sentido entrar em pânico com a “desdolarização” quando 88% das transações cambiais envolvem moeda americana?

Isso não quer dizer que nada esteja mudando, ou que essas mudanças não sejam perturbadoras, apenas que, em nossa pressa de moldar uma narrativa para o futuro próximo, algumas histórias podem estar se adiantando a alguns fatos. Para mim, esse é um dos pontos fortes da “multipolaridade” como ideia – é menos um mapa acabado de um novo sistema mundial do que uma declaração sobre a direção da deriva.

Para os americanos, a deriva pode parecer desanimadora. Como meu colega Ross Douthat escreveu na semana passada, houve uma mudança impressionante na opinião global contra os Estados Unidos na última década, com a invasão da Ucrânia apenas prejudicando ligeiramente as trajetórias estáveis. De acordo com “A World Divided: Russia, China, and the West”, um relatório publicado no outono pelo Bennett Institute for Public Policy da Universidade de Cambridge, a opinião pública entre os países em desenvolvimento é mais favorável à Rússia do que aos Estados Unidos, mesmo após a invasão da Ucrânia. Pela primeira vez, foi mais favorável também para a China.

Mas uma característica curiosa dessa virada é que, por algumas medidas convencionais de status global, os Estados Unidos não estão experimentando nenhum grande declínio. Como The Economist enfatizou recentemente em uma reportagem de capa sobre a “espantosa economia” dos Estados Unidos, quaisquer que sejam os problemas de nossa sociedade e nossa política e por mais que os próprios americanos encarem o estado e o futuro do país de maneira sombria, pelos padrões econômicos de primeira linha, os EUA continuam sendo um grande rolo compressor.

Desde o fim da Guerra Fria e durante a era pós-11 de setembro – um período frequentemente caracterizado pelos tropeços dos Estados Unidos e a ascensão da China – a participação dos EUA no PIB global não caiu de jeito nenhum. Sua participação na produção do Grupo dos 7 países cresceu quase pela metade, de 40% em 1990 para 58% hoje e, “ajustado pelo poder de compra, apenas aqueles em petroestados super-ricos e centros financeiros desfrutam de uma renda mais alta por pessoa.” Essas mesmas rendas ajustadas são maiores no Mississippi, o estado mais pobre dos Estados Unidos, do que na França de Macron; subtraia Paris e a comparação parece ainda pior. Na Grã-Bretanha, a renda média ajustada é tão alta quanto no Arkansas (e isso inclui Londres, é claro).

Comparações entre países como essas não são perfeitas, como qualquer um que admire os estados de bem-estar social do norte da Europa ou lamente a resposta da América ao Covid – ou a crise de expectativa de vida – poderia lhe dizer. Mas eles dizem algo sobre a influência econômica duradoura e o status dos Estados Unidos no cenário mundial.

Ao mesmo tempo, a estrela da China não é tão indiscutivelmente ascendente quanto poderia parecer alguns anos atrás. A população do país, há muito vista como o motor do futuro domínio global, provavelmente já atingiu o pico e parece destinada a um declínio bastante vertiginoso. Ele atingiu uma série de lombadas – trimestres de recessão antes impensáveis, crises nos setores imobiliário e de construção – que já forçaram os analistas a reconsiderar as previsões quase universais de que a China logo se tornaria a maior economia do mundo. E apesar do triunfo externo e da ostentação política do recente congresso do Partido Comunista que reconduziu Xi Jinping para um terceiro mandato sem precedentes como presidente, o fim abrupto e confuso do “covid zero” sinalizou um considerável tumulto social e político interno.

No exterior, os gastos e investimentos da China ainda são significativos; na verdade, continua sendo um credor muito maior para o mundo em desenvolvimento do que o Banco Mundial ou o Fundo Monetário Internacional. Mas esses gastos também foram reduzidos nos últimos anos, quando o país recuou em seu projeto Belt and Road para construir ou financiar grande parte da infraestrutura do mundo em desenvolvimento, com o investimento estrangeiro caindo de mais de US$ 80 bilhões para menos de US$ 10 bilhões. bilhões pouco antes da pandemia, segundo análise do Rhodium Group. A China agora está recebendo mais pagamentos do mundo em desenvolvimento do que desembolsando, de acordo com o Banco Mundial, e cancelou US$ 78 bilhões em empréstimos do Cinturão e Rota nos últimos três anos, quadruplicando em relação aos três anteriores.

O que quer dizer que, por mais simples que uma formulação como a multipolaridade possa parecer, o mundo que ela descreve não é muito claro, nem mesmo previsível. A guerra na Ucrânia já abalou bastante, não apenas na Europa Oriental ou entre os aliados de ambos os lados, mas também em todo o mundo. Essa precipitação provavelmente aumentará e, no momento, não parece estar levando rapidamente a algo tão estabelecido quanto um novo status quo.

PUBLICADO no jornal THE NEW YORK TIMES por

TRADUZIDO por LUCAS ELLER, New York